Arquivo

Archive for outubro \29\UTC 2012

O Brasil não está preparado para legalizar as drogas!

Em um domingo qualquer, assistia eu uma reportagem (veja no final do post) de uma emissora forte no quesito jornalismo sobre a legalização das drogas. E o contexto estavam os já conhecidos coffee shops na Holanda, onde a maconha e o haxixe são vendidos legalmente, apenas para maiores de 18 anos, e o consumo é liberado apenas dentro dos estabelecimentos, sendo proibido o fumo livre nas ruas.

Em Portugal, um cenário parecido. Um país que sofreu na década de 90 com a explosão do consumo de heroína, descriminalizou as drogas e hoje existe uma cadeia de lojas que vende produtos ensacados, espécies de alucinógenos, como cogumelos ressecados, entre outros que me fogem ao conhecimento.

Com estes cenários (bem-sucedidos?) na Europa, quis emitir a minha opinião sobre o assunto, porém quero pontuar um outro assunto que, pra mim, merece maior importância do que simplesmente liberar o consumo da maconha em solo tupiniquim.

Antes de discutirmos se isso reduzirá a atuação do tráfico de drogas e ajudará o governo a ter um maior controle sobre os usuários, entre outras questões como a redução da criminalidade, é utópico, porém obrigatório citar a omissão das autoridades e da própria população sobre outras drogas muito mais perigosas e livres em nossa sociedade atual: o álcool e o cigarro.

Fonte: Google Imagens

A reportagem era clara quando à redução da criminalidade em Portugal após a legalização das drogas. Mas o álcool já é legalizado no Brasil e o número de mulheres vítimas de violência doméstica por conta do álcool não reduziu aqui ainda. Ou reduziu?

E o número de pais de família ou até jovens que morrem em brigas fúteis causadas em bares, festas, baladas e afins? Quem é o maior causador de mortes no Brasil, a cocaína, o crack ou o álcool?

E qual é o controle que o governo e as entidades de saúde têm sobre isso? Ou os lucros da indústria do álcool são representativamente maiores do que o valor das vidas consumidas por copos e garrafas?

É pouco? Falemos do cigarro então, outra liberação de algo maléfico a saúde e que tem um consumo ainda maior na sociedade. É chique fumar, gera emprego, e, por mais que aumentem o valor mínimo a ser cobrado por maço, o consumo não cai.

Será que a saída é aumentar ainda mais o preço? Encher o produto de alíquotas de impostos para tirar do alcance do povo?

Fonte: Google Imagens

Enquanto estas dúvidas não me forem sanadas, não consigo enxergar a descriminalização de qualquer coisa que “gere ônus a nossa saúde” como algo benéfico ou solução.

Quantos milhões são gastos nos hospitais e unidades médicas com tratamentos ou recuperação de fumantes e alcoólatras? Ressalto aqui que a culpa não é deles, que são vítimas desse sistema vicioso, com o perdão do trocadilho.

E se esses valores fossem investidos em educação, no meio ambiente, em melhorias do próprio sistema de saúde?

Não! Porque nós vivemos em um sistema onde os culpados sempre somos nós… e a vítimas também!

Link Reportagem: http://rederecord.r7.com/video/polemica-o-que-aconteceria-se-a-maconha-fosse-liberada-no-brasil–508dcd1c92bbcaa35e4e39b7/

Categorias:Textos

1/1000 – Profestas e Protestos

A seção 1/1000 de hoje mostra a diferença de realidade de conscientização e protestos dos jovens estudantes brasileiros e chilenos. Enquanto no Brasil, os graduandos de Direito da USP organizam micareta no Centro de SP para protestar contra a proibição de distribuir sopas aos moradores de rua, os chilenos continuam brigando por um sistema de educação digno.

Sem mais…

Categorias:1/1000

O problema do Brasil não são os políticos… é o povo!

Sou politizado… e por mais que as opções sejam ruins, nunca deixo de escolher um representante, pois julgo o VOTO NULO uma ANULAÇÃO de si próprio. Meus amigos não pensam assim e muitos, como parte dessa geração mais nova, já cresceu e carrega o estigma de que nenhum político presta e o Brasil não vai pra frente por causa deles.

Demorei, mas nessa sexta-feira (19/10/12), cheguei a conclusão de que o problema do Brasil não são os políticos, mas o povo. Eles só se aproveitam da nossa ignorância e, por que não dizer, da nossa burrice.

Nesse fatídico dia, trabalhava eu tranquilamente no Centro, quando começa a pipocar em minha janela jovens trajados com roupas carnavalescas (ou toscas)… tinha Chapolin, praieiros, periguetes, Pantera Cor de Rosa, entre outros…

Junto deles, guardas da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) fechavam um dos principais acessos à Praça da Sé para o trânsito dos foliões. Ah, era uma sexta-feira. Traduzindo para os não-paulistanos, é o pior dia do trânsito da Capital.

Felizes (ou embriagados), os foliões deitavam na rua, mijavam nas paredes (mesmo tendo banheiros químicos ao lado (deviam ser míopes e estarem sem óculos, sei como é difícil isso), dançavam, pulavam, beijavam, bebiam, caíam… cenas típicas de um fevereiro no Brasil.

Intrigado, fui pesquisar o que seria aquilo. E ‘googando’, achei que seria uma festa chamada ‘Peruada’, um evento promovido anualmente pelos “estudantes de Direito da USP” (?!). Eles desfilam junto a um Trio Elétrico ‘protestando’ (!!!???) com um motivo especifico. O tema desse ano era a proibição da gestão Kassab de distribuir sopão aos moradores de rua de São Paulo, coibido pela Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Explicado o ‘protesto’, me vem um trio elétrico rodeado por uma centena de policiais militares dando proteção aos estudantes. Ah, enquanto isso, o trânsito quadruplicava.

Não preciso expressar o tamanho de minha revolta, né? Ou preciso? Então tá, vou pontuar alguns motivos que me indignaram e porque, a partir desse relato, julgo que o Brasil não tem mais jeito.

– Nossos futuros promotores e advogados dão o exemplo maior de postura e ética com relação ao próximo. Pessoas com um mínimo de cultura, cheias de conhecimento, mas que acham perfeitamente normal travar o trânsito de SP para pular Carnaval, sob a alcunha de protesto;

– A CET, que deveria estudar maneiras de aliviar o caótico trânsito paulistano, dá cobertura para piorar ainda mais a situação das já congestionadas vias;

– Mais de uma centena de policiais militares dando proteção aos foliões, em plena tarde de sexta-feira… ressaltando que SP vive dias tranquilos de segurança, já que o partido do crime anda quieto, sem homicídios e riscos para a população;

Qual foi a última vez que você viu um protesto digno, por uma causa justa, e com jovens e adultos realmente engajados? Os ‘estudantes de direito da USP’ que me desculpem pelo julgamento antecipado, mas quantos deles já saíram às ruas de madrugada pra servir um sopão aos moradores de rua?

Me perdoem pela redundância, mas há mais de um ano os estudantes chilenos lutam contra o governo, protestando (de verdade) nas ruas em busca de uma reforma estudantil. Há comparação?

Já perderam dois anos letivos, mas é certo que seus filhos e demais gerações colherão os frutos. Mas aqui, o protesto vira uma micareta, onde nossos jovens se divertem ao causar transtornos aos demais cidadãos e dão um show de civilidade e engajamento.

Aí nas urnas, vêm votos para os ‘Tiriricas’... Já passa da hora dessa geração descompromissada acordar. Enquanto nossos protestos forem fúteis e divertidos como este que tive o desprazer de ver na sexta-feira, nunca seremos levados a sério, continuaremos sendo governados por quem detém um mínimo de informação e influência e enriquece às nossas custas.

Por que não parar o trânsito para cobrar mudanças no sistema de votos, que hoje ainda é obrigatório? Por que não parar o trânsito para cobrar mais segurança pública, creches, escolas, hospitais, ditarmos o Orçamento da cidade, entre outras causas realmente sérias e que ditarão o futuro de nossos descendentes?

Fonte: Google Imagens

Mas, como acontece nas rodas de amigos, isso é um assunto muito chato, melhor a gente se divertir enquanto pode… e deixar que se divirtam com nossa cara enquanto querem!

Categorias:Textos

O Brasil está (quase) acordando… Resultados das eleições 2012

Quem me conhece sabe o quanto adoro discutir política, principalmente comentar sobre as eleições e os votos. E também sabe o quanto me decepcionei (ainda mais) com o povo brasileiro com o “voto de protesto” (protesto mais idiota que já vi) elegendo o palhaço Tiririca como deputado federal mais votado da história do País.

Na onda dessa palhaçada, diversos candidatos bizarros viram a bagunça que estava e queriam um pedaço do bolo. E não faltaram candidatos bizarros e alguns sem relevância alguma para a política da cidade como o humorista Marquito, a Mulher Pêra, o cantor Kiko do KLB, e alguns dos quais me envergonho, como o cantor Agnaldo Timóteo, vereador até dezembro e que não conseguiu sua reeleição.

Política é coisa séria. Por mais que os parlamentares, muitas vezes, seja remetidos ou realmente sejam corruptos, quanto mais irresponsável for seu voto, mais você será prejudicado.

Imagem

Ainda não fomos às ruas protestar por motivos realmente sérios, como fazem os chilenos em busca de uma reforma na educação do país, mas nas urnas já diminuiu o número de eleitores brincalhões.

Da bancada dos suspeitos e corruptos, o ex-ministro Orlando Silva – que renunciou ao Ministério dos Esportes por envolvimento em esquemas ilícitos -, ainda foi alvo da confiança de 19.739 paulistanos, mas não entrou. Assim como Vicente Viscome, com o honroso título de ter sido o primeiro vereador cassado da história de São Paulo na gestão Celso Pitta por conta da Máfia dos Fiscais, que recebeu 4.022 votos, mas também ficou fora da Câmara.

Entre os esportistas, o Pé de Anjo Marcelinho Carioca, ídolo da torcida corinthiana, bateu na trave mais uma vez e não conseguiu uma cadeira com seus 19.729 votos. Do lado rival, foi Ademir da Guia que também não conseguiu a confiança da maioria dos paulistanos e seus 14.345 votos não foram suficientes. E nem a exposição no programa ‘A Fazenda’ (!) ajudaram o corinthiano Dinei (9.243 votos) a ser eleito.

Dos famosos e bizarros, Marquito ainda é o exemplo de que o paulistano brinca com o próprio futuro. Fora 22.198 votos, o que o credenciou a primeiro suplente de seu partido. E, embarcando ainda na onda do chefe Ratinho, o Dr. Farhat, advogado do apresentador, conseguiu 23.160 votos.

Credenciada pelo ‘sucesso’ momentâneo de sua participação no programa ‘Pânico’, a Vovó da Fiel angariou 3.474 votos, assim como a Mulher Pêra, que mostrou suas “propostas” bem decotadas e seu “conteúdo” em fotos vulgares na web e recebeu 2.126 votos.

Outros frustrados nas eleições foram Raul Gil Jr. (14.193 votos), Chico Lang (12.340), a socialite Ana Paula Junqueira (6.316), Marcelo Frisoni (?), marido da Ana Maria Braga (ahhhh), com 4.269 votos, a apresentadora Nani Venâncio (4.194), a cantora Angela Maria (2.291) e o mais relevante deles, o ex-deputado e agora contando os dias para tornar-se ex-vereador, Agnaldo Timóteo, que teve 12.009 votos e, triste pelo resultado, declarou que viajará para Las Vegas para se consolar da derrota nas urnas.

 

Ao que parece, os brasileiros viram que o protesto Tiririca não trouxe nenhum mudança real para nossas vidas e não repetiu o feito nas urnas em 2012. O exercício da democracia é  fundamental, relevante, porém deve ser levado a sério.

 

Imagem

Com este texto, não julgo que estes candidatos não tenham propostas por São Paulo. Mas acreditar que, por exemplo, mulheres cheias de decotes e bundas à mostra e propostas escondidas (se é que existem), tenham algo a acrescentar algo à minha cidade é, no mínimo, leviano.

 

Respeito quem brinca com isso, mas eu ainda voto sério!

 

Categorias:Sem categoria